Neste dia de Festa do Sagrado Coração de Jesus, esta reflexão é imperdível!


É nesse Sagrado Coração que o homem combalido de nossos dias encontrará sempre os recursos mais inesperados para as situações mais desesperadoras *
Assim como a aurora precede o meio-dia, analogamente, no ciclo litúrgico da Igreja Católica, o mês de maio é o mês de Maria, que é a aurora.
E junho é o mês de Jesus, do Sagrado Coração de Jesus, que é o meio-dia.
Que é o Coração de Jesus?
É, naturalmente, um coração vivo que palpita no peito Sagrado do Divino Salvador; um coração formado pela operação onipotente e sapientíssima do Divino Espírito Santo, no claustro virginal da Santíssima Virgem e, em conseqüência, tendo toda a perfeição física que ele pode comportar;
Um coração vivificado pela maior alma, a mais pura, a mais santa, a mais divina que jamais tenha existido; um co·ração que da chaga nele aberta pela lança de Longino deixou correr água e sangue, fonte fecunda de nossa vida espiritual e de nossa salvação.
Ter-se-ão realçado aqui todas as belezas desse Sagrado Coração? Não!
O Coração de Jesus não é, como os nossos, um coração de simples criatura. É o Coração de Deus, digno, por isso mesmo, de todas as homenagens e de toda a adoração que não devemos e não prestamos senão a Deus.
Eis aí privilégios do Sagrado Coração que o elevam acima de todos os outros corações e também de todos os objetos que, como a Cruz, a manjedoura, os cravos e a coroa de espinhos, foram santificados pelo contato direto que tiveram com o Homem-Deus.
Com efeito, por mais caros e veneráveis que todos eles sejam para a piedade dos fiéis, sua existência não se confunde com a própria pessoa do Redentor, como é o caso do Sagrado Coração.
Esse Coração vivo de Nosso Senhor é o emblema, o símbolo, não de um amor indeterminado, mas do próprio amor de Jesus, inteiramente conforme à sua natureza humana como à sua
natureza divina.
Jamais se verá em alguém um coração tão sensível à influência de todos os afetos da alma. Nosso Senhor é o homem perfeito e, portanto, n’Ele há uma perfeita harmonia entre os seus afetos e os sentimentos de seu Coração.
Em cada um de nós, os movimentos da vontade podem não ter senão uma repercussão imperceptível no coração, porque nossa parte sensível o submete, não raro, a impressões contrárias e mais vivas. Em Nosso Senhor, não.
NEle tudo é ordem, e essas oposições deploráveis, entre o sentir e o querer não existem. E um coração reto, puro, imaculado, divino, e todos os sentimentos que aí têm lugar são santos
e santificadores:
“Eu te farei ler no livro do amor de meu Coração”, disse um dia o Divino Mestre à confidente deseu Sagrado Coração, Santa Margarida Maria Alacoque. E nunca – talvez no Céu – conseguiremos ler tudo quanto está escrito nesse divino livro.
A representação do Sagrado Coração de Jesus
O Sagrado Coração é normalmente representado com a cruz, as chamas, a coroa de espinhos, acrescentada a chaga nele aberta por Longino. Recordemos o que Santa Margarida Maria conta, ela mesma, em carta dirigida ao Padre RolIin, seu confessor, em 1674:
“No dia de São João Evangelista, após ter recebido de meu Divino Salvador uma graça mais ou menos parecida à que recebeu na noite da Ceia este discípulo bem-amado, o Divino Coração me foi representado como um trono de fogo e de chamas, radiante de todos os lados, mais brilhante que o sol e transparente como um cristal.
A chaga que ele recebeu sobre a cruz aparecia aí visivelmente. Uma coroa de espinhos envolvia esse Sagrado Coração, e uma cruz o encimava.
“Meu Divino Salvador fez-me conhecer que esses instrumentos de sua Paixão significavam que o amor imenso dele para com os homens tinha sido a fonte de todos os sofrimentos e de todas as humilhações que Ele quis sofrer por nós,
Que, desde o primeiro instante de sua Encarnação, todos esses tormentos e desprezos Lhe estavam presentes, e que desde esse primeiro momento, por assim dizer, essa cruz lhe foi plantada no Coração;
Que Ele aceitou, desde então, para nos testemunhar seu amor, todas as humilhações, a pobreza, as dores que sua sagrada humanidade deveria sofrer durante toda sua vida mortal”.

Fonte: aascj.org.br 
Compartilhe com Google Plus

RCC Diocese de Parnaíba

Matéria escrita por Ministério de Comunicação Social

0 comentários:

Postar um comentário